Pressione "Enter" para pesquisar ou "Esc" para cancelar.

Nos comunicamos porque não conseguimos nos comunicar! Você entendeu isso?

De acordo com uma das teorias de George Bataille, nós nos comunicamos, pois não conseguimos nos comunicar. Confuso? Porém, saltando das teorias acadêmicas à pratica há uma imensidão de provas que corroboram à avaliação do filósofo: a comunicação não atinge um fim. Ou você, prezado leitor, conhece algum caso em que houve completo entendimento da mensagem, sem contestações ou interpretações equivocadas.

Acredito que a resposta seja não. E ela continuará a ser por muito tempo, ou enquanto a comunicação depender de nós (humanos) para acontecer. Todavia, os ruídos oferecidos por ela podem ser reduzidos pela transparência e o diálogo. A falta destes dois elementos nos traz diariamente uma corrente de fruições, que, por sua vez, ficam a nosso critério abraçá-las ou não.

Para ilustrar a assertiva, trabalhamos com a ideia de uma empresa com vários setores ou filiais. Nesta corporação, em teoria, as áreas correlatas mantêm um bom nível de comunicação, pois dependem da sua fluência para não travar. Por exemplo, o desenvolvimento precisa estar em perfeita sintonia com o suporte para que as dores dos clientes sejam atendidas o mais rápido possível e, de outro lado, para o suporte intervir com um atendimento técnico, pontual e de qualidade.

Porém, esta fluência não deve estar restrita à áreas correlatas ou setores próximos, mas estar intrínseca na cultura da empresa. Para Isabel Herminia Egler, Gestora de Soluções Corporativas do Instituto  de excelência Profissional Fenasbac, “a ausência de troca de informações entre as diversas áreas da empresa dificulta, ou até mesmo, impede por completo, a interação e a integração correlata entre profissionais desses setores”. Ela aponta como consequência a isto o aumento da disputa e da competitividade entre pessoas e setores.

Segundo a gestora, a insciência das atividades de outros setores é o principal motivador à retenção de conhecimento e de experiência, ou seja, os colaboradores tendem a não compartilhar seu saber com colegas de outros setores e níveis hierárquicos prejudicando a eficiência e eficácia empresarial.

De acordo com Isabel, para evitar estes problemas a aplicação de campanhas que estimulem a comunicação, a troca de informações e o compartilhamento de experiências, de forma presencial ou virtual, facilitam “esses momentos de compartilhamento”. Ela salienta: “as soluções estão disponíveis por meio da realização de treinamentos, reuniões, fóruns, oficinas, chats, vídeos conferências, webinars etc”. Em outras palavras, há inúmeras possibilidades para que a comunicação entre os mais variados setores aconteça o problema ainda está em como são aplicadas estas ferramentas nas empresas.

Para Kelly Cortes, superintendente de Desenvolvimento Humano da Call Tecnologia, promover intercâmbios entre filiais e setores é um ponto de desafogo ao problema, além disso, a valia destas trocas é de imensa riqueza, pois fica perceptível a cada profissional quais são as dores e como elas são tratadas em cada unidade.

CTA_novo