Pressione "Enter" para pesquisar ou "Esc" para cancelar.

Seu olhar sobre os outros

Conversava com uma amiga psicóloga que trabalha numa grande organização, por esses dias, e ela havia me contado que um dos motivos dos funcionários desistirem do trabalho é porque não lidavam bem com seus colegas de departamento.

Achei curioso o dado e comecei a conversar com outros contatos de RHs para ver se isso acontecia também em outras organizações, desde grandes a pequenas. O resultado foi um espanto! Numa pesquisa informal, consegui constatar que em algumas empresas 50% dos casos de funcionários que pediam demissão estavam relacionados ao mau convívio no ambiente de trabalho.

Que o clima organizacional e tudo aquilo que faz parte da rotina da empresa influencia diretamente na produção dos funcionários, isso é sabido. Mas, que as pessoas chegavam a pedir demissão porque não conseguiam conviver com um colega de trabalho é um dado, no mínimo, intrigante. Para um profissional chegar a abrir mão do seu salário, de suas aspirações de carreira porque não conseguem mais dividir seu espaço com alguém é porque, de fato, não tem mais condições de estar naquele meio.

Mas, como a situação chega a esse ponto? Num primeiro momento é preciso prestar atenção em tudo o que permeia a comunicação entre os funcionários. A empresa promove a disputa entre os colaboradores? Existe a possibilidade de depreciar um colega (tipo o bullying da escola) de maneira aberta, sem que haja uma repreensão a esse comportamento? Quem deve administrar essa comunicação são os líderes porque são eles os condutores da comunicação interna das empresas. Se eles não se importam que os funcionários se matem, assim o farão porque, como diz o ditado, “quando os gatos saem os ratos fazem a festa.”

Há ainda um aspecto mais humano a ser observado na “repulsa sobre o outro”. Infelizmente, não é ensinado nem nas escolas e muito menos no mercado de trabalho que o olhar que se tem sobre os outros é um ponto de vista seu. Existe um ditado oriental que diz assim “a beleza está nos olhos de quem vê”. Então, se você observa o outro com amor é porque existe amor dentro de si para oferecer aos outros. Se você observa apenas os aspectos negativos de alguém, já sabe, é você quem está olhando para os outros com um ponto de vista muito negativo porque há esse sentimento dentro de si. Não existem pessoas boas ou más, existem pessoas. E você tem a escolha de olhá-las como quiser.

No ritmo alucinado de trabalho que os profissionais estão levando é bem pouco provável que tenham colocado esse ditado em prática. Mas, que no dia a dia pode trazer benefícios maravilhosos. Um deles é de parar de observar os outros como inimigos. O outro é o de ter um olhar mais pacífico (e não passivo) a respeito daquele que lhe agride. Numa sociedade extremamente reativa quando alguém faz algo a você a resposta, quase que imediata, é revidar.

No entanto, em pleno século XXI, também já é possível entender que as pessoas estão tendo conflitos internos muito difíceis. Já pensou se você não revidasse a um ataque alheio e se dissesse a pessoa: “não vou revidar. Quero que você fique bem.” O que imagina que a pessoa faria?

É muito importante tentar colocar esse exercício em prática porque o mundo clama, de verdade, por paz.  Não acredito que apenas colocando mensagens de paz nas redes sociais ela existirá porque simplesmente há esse desejo. Só haverá paz, efetivamente, quando todos mudarem seu olhar sobre os outros, buscando a paz e somente ela.

CTA_novo