Pressione "Enter" para pesquisar ou "Esc" para cancelar.

Tendências para educação corporativa

Ao pensar em educação corporativa, em um primeiro momento, alguns podem imaginar tratar-se apenas de capacitações, sendo estas entendidas como cursos, palestras, treinamentos, workshops e atividades afins dentro de uma empresa.

Entretanto, educação corporativa vai muito além disso. Ela precisa estar firmada em um sistema de educação, que por sua vez esteja baseado em uma ou mais academias corporativas e que estas estejam protegidas dentro de uma universidade corporativa.

Ao tratar neste texto sobre tendências, aponto inclinações, ou seja, propensões, para esta área de atuação.

Atualmente, uma delas é o aprendizado por meios eletrônicos, ou como é mais conhecido, o e-learning. Só nos EUA, as previsões de mercado indicam um faturamento de até US$27,1 bilhões relacionado com este método, até 2016.

Todavia, como é uma tendência, esta proposta ainda está em constante evolução para os próximos anos. Neste contexto, é salutar nos questionar como acompanharemos essas mudanças e aplicaremos ações educacionais com sucesso dentro de nossas organizações?

Ao buscar respostas em um contexto global, é possível vislumbrar algumas direções como:

Automatização do ensino: os ambientes de aprendizagem online (LMS) serão mais automatizados. Com isso, antes dos aprendizes iniciarem seus estudos, passarão por diagnósticos. De acordo com as respostas nos questionários, o próprio sistema conseguirá direcionar o estudante para o curso que melhor atenderá sua necessidade de aprendizagem.

Aprendizagem aumentada: através da utilização de aparelhos, isto é, gadgets portáteis, criados com tecnologia weareble, que utiliza 3D e realidade virtual em sua programação, como o Google Glass e a Apple Assista, que permitem uma interação do aprendiz com o ambiente projetado, será possível apresentar situações da vida real, baseada em ambientes que os aprendizes acessem através do QR Code, por exemplo. Este é um mercado que, segundo pesquisas, está em expansão e cuja expectativa de crescimento até 2018 é de 200 milhões de usuários.

Utilização de BigData: a geração de resultados e sua gestão, também entram na lista de tendências para os próximos anos. Muito além do ROI, os índices e indicadores que serão extraídos dos ambientes e ferramentas de aprendizagem, facilitarão o estudo e a análise das informações geradas pelos aprendizes. Com isso, o feedback e a personalização de cursos ficará mais possível e facilitada.

Armazenamento na nuvem: apesar de muitos usuários não confiarem na armazenagem de seus dados na nuvem, há uma tendência nesta prática, com ênfase na facilidade de acessar conteúdos em qualquer lugar, necessitando apenas de internet.

Gamification: a utilização de estratégias de engajamento dos usuários, tornando-os atores da própria aprendizagem, aliada à ludicidade no conteúdo, tendem a proporcionar um estímulo nos aprendizes de melhorar sua possibilidade de absorção da informação e facilitar o processo de geração da mesma em conhecimento.

Mobile Learning: ainda há uma descrença sobre a disponibilização de materiais educacionais em aplicativos móveis, como smartphones e tablets. Contudo, os aprendizes possuem um acesso facilitado a estes aparelhos e em muitos casos os mesmos são mais evoluídos que os desktops acessados por eles.

Personalização: o mundo ideal da aprendizagem é que os produtos educacionais sejam projetados individualmente, conforme as lacunas de desenvolvimento, do ritmo, preferências e necessidades de cada aprendiz. Pode até parecer fantasioso, mas com a ajuda da tecnologia há um direcionamento para este tipo de prática educacional.

Serious Games: as empresas estão reconhecendo que o treinamento dos colaboradores através de jogos sérios tem facilitado o entendimento e a aprendizagem do processo e/ou produto.

Design responsivo: No contexto do Mobile Learning, a tendência são os cursos criados através de ferramentas responsivas, ou seja, com programações que permitem o curso se ajustar em qualquer tamanho e direção de tela.

Treinamentos baseados em vídeos: desde que baseados em uma metodologia de aprendizagem, e não apenas uma palestra gravada, os vídeos continuam como em alta para os próximos anos.

Treinamentos baseados em competências: empresas tem observados que quando o planejamento dos treinamentos é orientado pela gestão de competências, além dos investimentos assertivos para melhorar a produtividade da organização, os colaboradores sentem-se mais motivados em realizar o treinamento, pois refletirá diretamente no avanço de sua carreira dentro da empresa.

E a educação corporativa no Brasil?

Mirando especificamente no Brasil, temos a Pesquisa Nacional de Práticas e Resultados da Educação Corporativa, edição 2015. Esta pesquisa, realizada pela FIA e tendo como mentora a prof. Marisa Eboli, traz dados bem interessantes  que demonstram as cinco principais tendências em educação corporativa no Brasil:

tendências educação corporativa

Marisa Eboli traz um cenário instigante quando apresenta estes resultados. Ela diz que a educação a distância, apesar de tendência, é um desafio, pois ela não tem a dimensão nas organizações que deveria ter. Além disso, a aprendizagem corporativa sistêmica resulta no envolvimento dos stakeholders, assim como a avaliação de resultados deve demonstrar o impacto nos negócios que esta ação educacional estrategicamente causou.

Resumidamente, tanto em âmbito mundial quanto no Brasil, as melhores práticas e tendências para se adotar em relação à educação corporativa são aquelas que propiciem um ambiente agradável para o desenvolvimento integral das competências do aprendiz, que sejam planejadas com estratégias de engajamento, pensando em interatividade e de fácil absorção de conteúdo. Além disso, que possibilitem a melhoria na produtividade das organizações e em toda a sua cadeia de valor.

E você, tem alguma iniciativa de educação corporativa dentro da sua empresa? Comente abaixo!

 

valeska salvador


Valeska Schwanke Fontana Salvador
 – CPO da Conducere Desenvolvimento Corporativo,  especialista em design educacional/instrucional, tutoria, psicanalista em formação

CTA_novo